terça-feira, 6 de abril de 2010

Saudade


To aqui escutando Tim Maia e lembrei de vc. senti uma saudade estranha. tao igual, mas tao diferente das outras saudades. saudade de tudo que vc me ensinou. a olhar as horas num rologio analogico com menos de 5 anos. A ler e escrever, a fazer as contas de matemática. Dos livros que vc me incentivou a ler. Sinto saudade do 1 real que vc me dava depois de eu tanto pedir pra levar pra escola, e que and veio a nota de 2 reais vc falou: "agora vc so vai me pedir 2 reais pra levar pra comprar seu lanche, to ferrado!" De quando a gente ia no mercado e vc me fazia prometer que nao ia te pedir balinha, mas eu sempre pedia e vc comprava. De como me segurava pelo pescoço pra atravessar a rua e eu ficava gritando por isso. Deu saudade das brigas, das besteiras que a gente falava. Do seu cherinho ruim quando voltava da pesca com dias sem tomar um banho. Dos peixes que vc trazia mostrando que era o melhor pescador do mundo! Saudade de vc corrigir sempre que eu falava alguma coisa errada. De todos os dias que vc ia comigo cedinho me esperar pegar o onibus pro trabalho, depois de te acordar, mesmo vc afirmando que ja estava acordado (eu fingia que acreditava que vc ainda era durao e nao dormia ate mais tarde se nao te chamasse). Saudade tb de quando a mae me falava que vc sempre a mandava tarde da noite me esperar voltar da jornada de trabalho e escola (a noite vc morria de preguiça, mas mesmo assim nao queria que eu andasse meio quarteirao sozinha, rs). So nao sinto saudade dos longos 2 anos que ficamos sem nos falar, que eu te ignorava e vc tentava sempre puxar conversa, coisas de adolescente, que nao tenho orgulho algum. Mas sinto muita saudade tb quando voltou da viagem e que vendia livros nas escolas, contanto que tinha parado de beber e tinha um livro de presente pra mim. Foi assim que voltamos a conversar, lembra? Aí vc teve problema de coração pela primeira vez e tomamos um baita susto! foi um ano maravilhoso né. Aproveitamos, ficamos amigos. Eu chegava a noite da rua e ia pro seu quarto conversar um pouquinho. Assistia as corridas no domingo de manha no seu quarto. Ate que chegou a copa do mundo de 2006. Lembro que assitimos Mexico e Irã no dia 11/06/06 e vc nao tava nada bem. No dia seguinte foi pro hospital e a casa ficou vazia sem vc. A briga era pra ver quem ia te acompanhar, todo mundo queria ficar um pouquinho com vc. Teno muita saudade do ultimo dia que te vi. 18/06/06, que eu perguntei: "pai, eu te amo, vc me ama?" e vc, que nao conseguia mais falar balançou devagarinho a cabeça confirmando que me amava, e eu te dei o ultimo beijo, um selinho.
Eu lembro que eu fui forte na madrugada seguinte, quando o telefone tocou as 3 da manha dizendo que vc provavelmente nao ficaria mais com a gente. Que tinha me chamado um pouco antes disso. Eu segurei as pontas, pq era o que vc teria feito no meu lugar.  Eu segurei as pontas até hj, 3 anos depois. E agora eu nao aguento mais segurar pai. Choro compulsivamente desde que comecei q escrever sobre vc e isso ja faz 1 hr.
Queria poder dizer tudo isso pessoalmente pra vc, mas ainda nao é hr. A hr das nossas almas se reencontrarem nao chegou. Preciso viver, construir minha familia baseada no que eu vivi com vc. E queria muito que vc pudesse conhecer meu Andre. Um homem bom, ajuizado, inteligente, meio bobo (como vc diria assim que o conhecesse), mas que acima de tudo me ama, respeita e cuida de mim. Queria tb que vc pudesse ver seus netos que ainda vao nascer. Eles adorariam pescar com o vô. Ficar juntinhos dias sem tomar banho, loucos quando o vô perguntasse se iriam querer pipoca, e eles iam ficar quietinhos quando a pipoca estivesse super salgada, como vc sempre fazia. Queria vc na minha casa, deitado no meu sofá, comendo a minha comida, dizendo que é tao boa quanto a da mamita.

Queria vc aqui.

Sou quem eu sou hj, por sua causa.
Te amo, de todo meu coração.

Imagem: arquivo pessoal, meu pai Daniel, no dia das maes em 2006, 1 mes antes de fazer a transição desse, pra um lugar melhor.

2 zoiadinhas:

Carla MMP disse...

Vc chorou ao escrever e eu chorei ao ler.
Não sei o que te dizer, o que escrever aqui. Mas saiba que entendi a sua saudade, a sua lágrima, a sua dor.
Eu entendi. E compartilhei com vc ao me emocionar tbm.
Tenho certeza que seu pai está mto orgulhosa da filha linda, inteligente e mais que amiga que ele criou!


Beijos com carinho

Carol_Rodarte disse...

Obrigada Carla, e eu pra variar chorei de novo. Dói mto, acho que to na fase de sofrer por tudo q ja aconteceu e ainda vai acontecer. Mas a dor no fundo é boa, pq tenho certeza que em algum lugar tem um espirito bom cuidando de mim. Que quando for minha hr de fazer a transição é ele que estará me esperando do outro lado...

Obrigada por sua sensibilidade e amizade Carla, vc é mto especial pra mim.

Beijos