terça-feira, 27 de outubro de 2009

Outubro Rosa - Câncer de Mama

Vi no blog mamiferas sobre o outubro rosa, que é uma blogagem coletiva para passar informaçoes sobre o cancer de mama e conscientizar as mulheres com mais de 40 anos sobre a importancia da mamografia.


Os auto exame ja nao é a forma mais eficiente de detectar um nodulo logo no inicio quanto se acreditava. A mamografia pode detectar os nodulos que ainda estao bem pequenos, nao percebidos pelo auto exame. Aumentando a chance de cura com tratamento precoce.


Anualmente aproximadamente 10 mil mulheres morrem de cancer de mama no Brasil. O INCa (Instituto Nacional do Câncer) estima que são 49 mil casos por ano, o que seria equivalente a 134 novos casos por dia e 5 novos casos por hora! Dados que li no blog mamiferas.

O SUS desde abril desse ano, garante mamografia gratuita para mulheres com mais de 40 anos.

No site Mulher Consciente tem varias informaçoes sobre o câncer de mama, exames e tratamentos.
Tem também depoimentos de mulheres que tiveram o câncer.


Espero ter ajudado!!
ps: a letra Rosa é uma homenagem ao nome da campanha!

fonte: Blog Mamiferas, Mulher Consciente.

imagem: http://www.samshiraishi.com/wp-content/uploads/2009/10/outubro-rosa2.gif

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Dor do parto oferece vantagens, afirma especialista

A materia é "antiga", mas adorei!


Dor do parto oferece vantagens, afirma especialista

A dor do parto tem uma série de efeitos benéficos para a mulher e para o bebê que são anulados quando a paciente opta por dar à luz com anestesia epidural, embora a técnica seja útil e imprescindível em alguns casos.

É o que afirma Denish Walsh, obstetra e professor da Universidade de Nottingham, em artigo publicado na revista "Evidence Based Midwifery" no qual explica que a dor é um rito de transição que ajuda a regular o parto.

Segundo Walsh, além de contribuir claramente com a fisiologia do parto, ajuda a fortalecer o vínculo entre a mãe e o filho e prepara a mulher para as responsabilidades da maternidade.

Sem menosprezar o valor da anestesia epidural, que pode ser fundamental em alguns casos, o professor aponta que seu uso aumentou muito nos últimos 20 anos, apesar da disponibilidade de outras alternativas menos invasivas contra a dor.

Entre as vantagens de optar por um parto natural, além de razões médicas, está o prazer desse rito fisiológico que culmina com o nascimento do bebê, junto ao fato de que a própria dor induz à liberação de endorfinas, que dão uma sensação de euforia e bem-estar, destaca o especialista.

Walsh afirma que alguns estudos demonstraram que a anestesia epidural aumenta a probabilidade de ter que induzir as contrações com tratamentos hormonais e é mais frequente o uso de fórceps para ajudar a saída do bebê.

No Reino Unido, o uso da anestesia aumentou 17%, entre 1989 e 1990, e 33%, de 2007 para 2008.

O professor recomenda ao Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês) outras alternativas de alívio à dor como ioga, massagem e tratamentos em piscinas.

Fonte: Folha Online

Imagem: www.gettyimages.com.br

domingo, 18 de outubro de 2009

*...talvez ainda faça, um monte de gente feliz!



Sim, vai fazer muita gente feliz quando vier.

E enquanto isso a gente espera.









* trecho de musica da Rita Lee

Imagem: http://www.clara.blogger.com.br/feliz.jpg

sábado, 10 de outubro de 2009

Vc está cansada de acordar para amamentar?


" Querida mamãe,

Esta noite acordei estranhando o silêncio. Não havia barulho algum e pensei que
o mundo tinha até acabado e você esquecido de mim. Coloquei a boca no trombone e
você veio. Ainda bem!

Fiquei tão feliz no calor do seu peito que acabei pegando no sono antes de mamar tudo o que precisava. Quando percebi que você ia me colocar no berço, chorei de novo, mas não tente negar: você estava com pressa para ir dormir outra vez.

Você me deu de mamar novamente, assim, meio apressadinha e depois resolveu trocar a minha fralda. Estava tudo tão calmo, um silêncio, nós dois juntinhos.
Estava legal e eu perdi o sono. Você até que foi compreensiva, mas começou a bocejar e resolveu me fazer dormir. Eu não queria dormir. Talvez eu precisasse de mais dez minutos, meia hora.

Mas você estava mesmo decidida a dormir. Foi ficando bem nervosa e até chamou o papai. Eu não queria o papai e todos fomos ficando muito irritados. No final das contas acordei a casa inteira cinco vezes. De manhã nossa família estava com cara de quem saiu do baile. Acho que estraguei tudo.

Imagina, você chegou a dizer para o papai que eu estou com problema de sono. Eu não! Você é que vem me dar de mamar com pressa e daí eu sinto que você não quer mais ficar comigo.

Os adultos tem hora certa para tudo mas eu ainda não entendi essas de relógio e tarefas estafantes que as pessoas grandes precisam fazer. Quando meu corpo está com o seu, quero ficar do seu lado sem me separar nunquinha. Do alto dos meus três meses ainda não descobri direito que você é uma pessoa e eu sou outra.
Um dia, eu vou sair por aí, vou saber telefonar e posso lhe deixar doida para saber o que ando fazendo e então você vai entender como me sinto agora. Mas não precisamos dessa guerra mamãe. Até lá já poderemos nos entender inclusive através das palavras.
Sinto a angústia da separação, pois terminei de viver uma das grandes. Você também, mas vive tudo isso como adulta consciente. Eu ainda vivo no inconsciente.

Por enquanto nossa comunicação direta fica restrita aos nossos sentimentos inconscientes. Eu não sei nada, tudo é novo para mim. Você pode até achar que não sabe nada e que tudo é novo para você, mas eu vou aprender o que você me ensinar através da sua sensibilidade, dos seus sentimentos em relação a mim.

Sabe, mamãe, se você quer um conselho, vou dar: quando eu chorar à noite, não salta logo para meu berço desesperada, como se o mundo fosse acabar. Espere um pouquinho, respire profundamente, ouça o meu choro até que ele atinja o seu coração. Sinta seu tempo, realmente acorde e venha me pegar. Me abrace devagar, não acenda a luz, fale bem baixinho e me dê o seu peito para eu mamar. Depois que eu arrotar, mais um pouco só de paciência, pois nós, bebês, somos muito sensíveis aos sentimentos dos adultos, especialmente os da mamãe. Se eu sentir que você está com pressa, sou capaz de armar o maior barraco, mas se você esperar até o meu segundo suspiro, quando meus olhos ficarem bem fechados, minhas mãos e pernas bem molenguinhas, aí sim pode me colocar de volta no berço que eu não acordo antes de sentir fome outra vez.

Conforme você for desenvolvendo sua paciência mamãe, eu estarei desenvolvendo minha tranqüilidade e nós não teremos mais noites infernais; apenas noites de mamãe/bebê, que um dia passam, como tudo na vida.

Sempre seu,
Gu-gu dá-dá! "

texto de Cláudia Rodrigues

imagem: http://1.bp.blogspot.com/_jHiPGQxAOKA/Se5XFhFq2BI/AAAAAAAABZU/RwLITYh1eqg/s400/mamae_amamentando_pb.jpg